Os Marinheiros


Salve, salve, galerinha do bem!!!



Estamos chegando ao fim de mais um ano e nos aproximando dos festejos em homenagem a nossa amada Mãe Yemanjá, nossa Rainha do mar. Época em que vamos à praia louvar e agradecer essa grande Mãe que nos acolhe logo no início de nossa caminhada na seara umbandista, afinal é a Senhora de todas as cabeças conforme contam os itans.

Mãe Yemanjá tem sob sua regência duas grandes linhas de atuação uma mais conhecida e mais presente nas giras na maioria dos terreiros que é a linha de trabalho dos Marinheiros e a outra é a linha de trabalho das Sereias, infelizmente, são poucos terreiros que trabalham com essa linha.

O povo do mar é um povo que tem um grande poder de trabalho. Por atuarem no mar seu magnetismo é capaz de promover intensa limpeza energética em seus consulentes trazendo paz e bem estar a quem o procura.

A linha dos Marinheiros é uma linha em geral composta de espíritos alegres e bem humorados que tem como característica manifestar-se balançando para frente ou para trás dando a impressão de estarem bêbados o que é uma grande mentira. Eles vêm nesse balançar em função do magnetismo do mar, como se estivessem em um navio em mar revolto. Quem já andou de escuna na praia sabe como balança enquanto se desloca no mar ou se já viram imagens de ressaca do mar podem ter uma noção da força do mar. 

Sem sombra de dúvidas um Marinheiro muito conhecido pelos umbandistas é o Senhor Martim Pescador, que realiza um grande trabalho nas giras orientando, aconselhando e pescando os filhos perdidos dando-lhes direção.

No entretanto existem muitos outros marinheiros que atendem por nomes simbólicos que também realizam um excelente trabalho nas giras pelos terreiros de Umbanda.

Normalmente não pedem uma roupa específica para trabalhar normalmente vestem o branco, mas podem pedir um quepe, um bibico (gorro típico dos marinheiros) ou um chapéu de palha para trabalhar. Costumam beber cerveja clara ou rum durante as giras e fuma cigarro comum ou de palha. Podemos servir pirão de peixe, peixe frito ou assado

Costuma-se oferendá-los à beira mar, no entanto, como devemos ter a consciência de que não devemos sujar ou degradar o santuário sagrado de Yemanjá que são as praias e o mar devemos recolher tudo que foi arriado depois de feitas as rezas e dar o destino correto para cada elemento ofertado ou podemos fazer essa oferenda dentro de nossos terreiros.



Suas guias ou fios de contas geralmente são azul claro e branco ou azul claro e contas transparentes. Alguns marinheiros podem solicitar que em seus fios sejam colocadas miniaturas de âncoras, abebês prateados, conchas, etc dependendo das orientações de cada entidade.

Essa é minha pequena homenagem a esse povo tão lindo que em minha opinião deveria ter mais espaço nos terreiros sem ficar restritos aos festejos de Yemanjá. Há terreiros em que só são chamados nos festejos de Yemanjá e no encerramento do ano para limpeza de descarrego do terreiro.





Salve a Marujada!!!!



Meu abraço fraterno a todos.




Pai Daniel
O Japa Umbandista

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lua Grande? Lua Pequena?Uma Lua? Ai meu Deus, qual a diferença???

As quartinhas na Umbanda

O Alguidar na Umbanda