Caminhos de Pai


Meu saravá fraterno aos irmãos que acompanham meu blog.

Ontem foi mais um dia de função no terreiro onde tenho a honra de ser filho; foi uma função muito gratificante e de muito aprendizado, que me levou a uma grande reflexão. Sou antes de ser Pai sou filho de santo e aprendi com meu Pai de Santo que para ser um bom pai antes é necessário ser um bom filho.

Os ensinamentos da gira de ontem me levaram a refletir sobre o caminho de um Pai de Santo, Sacerdote, Babalorixá, como queiram chamar. Percebi que é uma missão árdua, que exige muita entrega, amor, fé, abdicar da vida pessoal para conduzir os filhos que acolhemos ao longo da caminhada.

Essa missão na maior parte do caminho é solitária. Muitos filhos vêm para o terreiro apenas para cumprir sua obrigação, vestem o branco, põem suas guias, incorporam e atendem ou camboneiam e ao final do trabalho trocam de roupa e vão embora. Por vezes se lembram que tem Pai de Santo e Terreiro quando o calo aperta ou dá aquela dor de barriga.

Nessas situações em que a necessidade aperta não exitam em ligar ou baixar na casa do Pai de Santo no meio da madrugada de mãos estendidas não para ajudar mas para pedir, se esquecendo que Pai de Santo também precisa dormir, descasar. Não são raras as vezes em que quando não são atendidos saem falando mau do Pai de Santo porque este não os atendeu "quando mais precisavam".

Vejam bem, não estou me eximindo das responsabilidades inerentes ao cargo e a missão que se abraça ao se chegar ao sacerdócio o meu questionamento diz respeito exatamente ao que a ilustração deste texto traz, a imagem de "Pai Herói" que o filho de santo idealiza em sua cabeça do Pai de Santo.

Por traz do Pai de Santo há o ser humano que assim como os filhos tem seus defeitos e qualidades, suas forças e suas fraquezas e que acima de tudo também tem suas dores, suas tristezas, tem problemas, fica doente, sente frio, sente fome como todo ser humano.

É importante que todo filho de santo AME, HONRE, TENHA ORGULHO, e acima de tudo RESPEITE seu Pai ou Mãe de Santo. Faz parte desse respeitar ouvir e aprender tudo que eles tem a ensinar, passar e acima de tudo UTILIZAR esses ensinamento na hora da precisão.Como dizem nossos guias as vezes uma vela bem acesa, acesa da forma correta, com fé e determinação tem a mesma força que um ebó ou uma entrega.

Fica o tema para reflexão.

Abraço fraterno.


Daniel



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lua Grande? Lua Pequena?Uma Lua? Ai meu Deus, qual a diferença???

As quartinhas na Umbanda

O Alguidar na Umbanda