Como escolher o terreiro certo? Isso é possível?


Salve, salve, galerinha do bem!!!


A pergunta que intitula este texto é uma pergunta muito frequente entre as pessoas que desejam conhecer ou se iniciar na Umbanda. Como escolher o terreiro certo? Eis aí uma pergunta que ao mesmo tempo que é fácil de responder também é complicada para dar uma resposta que atenda ao que a pessoa deseja ouvir e também esteja correta, pois envolve muitos fatores.

Quando alguém me faz essa pergunta costumo responder que a primeira coisas que se deve fazer é procurar uma casa que algum conhecido já frequenta e tenha boas referências quanto ao atendimento oferecido. 
Também costumo dizer para ouvir a voz que vem do coração é importante se sentir bem no terreiro. O terreiro é a igreja da Umbanda, sendo assim, é um local onde você deve se sentir acolhido e encontrar a paz que busca. Se ao entrar no terreiro e não se sentir bem não fique, agradeça e saia pela porta que entrou, contudo, não saia falando mau, não cabe a nós julgar o trabalho alheio.

Caso você tenha se identificado com o local, a energia, as pessoas o próximo passo a ser dado é conversar com o dirigente espiritual, Pai de Santo, Padrinho, Sacerdote, como queiram chamar e ouvir dele como funciona a casa, como é o processo de iniciação (dentro daquilo que pode ser falado a quem está chegando).

Através da conversa com o dirigente espiritual você saberá qual é a linha doutrinária, a filosofia, a forma de trabalho, como o terreiro é conduzido e administrado. Tudo isso é fundamental para que você possa ter uma convivência harmoniosa com seu dirigente espiritual, seus irmãos de santo, e principalmente com você mesmo para que seu desenvolvimento mediúnico possa ocorrer de forma tranquila e natural e assim você alcance o crescimento pessoal e espiritual que deseja para sua vida.

Atualmente existem muitas doutrinas, filosofias e formas de culto dentro da Umbanda e ao meu ver não existe a mais correta ou a errada, mas sim, aquela que atende às necessidades de cada médium em seu momento evolutivo, por isso, a jornada de iniciação e desenvolvimento do médium é um processo tão particular e pessoal. Com quase 100% de certeza afirmo que será diferente de pessoa para pessoa.

O importante é fazer o bem sem ver a quem. Aprender e crescer pessoal e espiritualmente a cada gira que se finda levando os bons conselhos de Caboclo, as palavras de consolo dos Pretos Velhos, a alegria e irreverencia de Exu e Pombogira, a inocência da Ibejada, em fim o que de bom cada povo trabalhador da Umbanda possa nos trazer, pois cada um em sua essência nos traz algo de bom.

No entanto tenha em mente uma coisa! Não é o luxo ou a simplicidade, a grandiosidade ou a humildade de um terreiro que fará dele melhor ou pior, mais forte ou mais fraco. O que importa é o sentimento de fé que nutre a todos que nele pisam em busca de crescimento ou de socorro!

Cada dirigente constrói seu terreiro de acordo com o que suas posses lhe permitem fazer muitos terreiros nascem no quintal de uma casa no subúrbio e outros tantos nascem dentro de casas amplas, com piso de cerâmica e paredes azulejadas. Mas como diz meu preto velho: "Do que adianta sua roupa estar branca se o coração não está?".
Muitas vezes o preto velho que atende no quartinho da edícula opera um milagre tão grande quanto aquele que atende em um terreiro lindo, grande com muitos recursos. 

Pensem nisso!!!


Espero ter ajudado.


Um abraço fraterno.


Pai Daniel
O Japa Umbandista


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lua Grande? Lua Pequena?Uma Lua? Ai meu Deus, qual a diferença???

As quartinhas na Umbanda

O Alguidar na Umbanda