Eu e o Daime

Hoje quero dividir com vocês, amigos leitores, a meu primeiro contato com a Doutrina do Santo Daime.

Antes de mais nada é preciso entender o que é a Doutrina do Santo Daime e separar o joio do trigo.


Muitas pessoas ao ouvirem falar do Daime, chá obtido através de duas ervas encontradas na Floresta Amazonica, o cipó Jagube e folhas de um arbusto chamado de Rainha, costumam chamá-lo de alucinógeno, erroneamente.


Esse chá também conhecido como Ayahuasca sempre foi preparado e utilizado ritualisticamente pelos índios, com quem o Sr. Raimundo Irineu Serra, carinhosamente chamado de Mestre Irineu dentro do culto do Santo Daime, teve seu primeiro contato.


O efeito causado pelo chá é o de expansão da consciência, que propicia um contato com nossa Divindade Interior, ou seja nos põe em contato como nossa essência, como alguns costumam dizer somos Deuses em fazimento, ou seja somos parte de Deus.


Assim sendo o correto é chamar o Daime de
enteógeno, pois nos põe em contato com nossa parte divina, que está dentro de nós, como eu já relatei no parágrafo anterior.

E foi através do Mestre Irineu que a doutrina do Santo Daime se difundiu entre o homem branco e através do Mestre Sebastião e seu filho foi levada para todo o Brasil e também para o exterior.

Bem vamos ao meu relato.

Sábado, 16/05/2009, fui acompanhado de meu namorado ao Reino do Sol, Igreja do Santo Daime que ele frequenta, para ter minha primeira experiência com o Daime.

O Reino do Sol fica em uma área verde muito bonita onde o contato com a Natureza já te traz uma paz e um bem estar muito grande, só o fato de estar lá já me fez muito bem, filho de Oxossi na mata, está em casa.

O trabalho é muito bonito com preces e muita musicalidade, o culto é todo cantado, na Doutrina do Santo Daime, as músicas, são chamadas de Hinos, cada hino te leva a um estado de espírito, de relfexão e é incrível como cada hino cantado é cantado no momento certo, pelo menos para mim foi.

Tomar o chá foi a parte me que causou mais ansiedade, pois eu não sabia quais seriam as reações tanto físicas quanto sensoriais, as reações mediúnicas eu já tinha consciência de que seriam mais ou menos as que eu já conhecia.

A sensação física mais marcante foi uma pequena queda de pressão arterial além de náusea e um pouco de vômito, reações comuns para quem toma o Daime, pois o mesmo promove uma limpeza interna, acredito que por conta da queda de pressão, a sensação de estar andando nas nuvens e uma certa perda do equilíbrio foram consequencias esperadas.

Em compensassão a reação sensorial mais marcante foi a expansão do campo aurico, sensação essa que eu nunca tinha experimentado, a sensação foi exatamente a de estar com o corpo todo inchado, meio que latejando, difícil de explicar, só quem passou pela experiência que pode saber do que estou falando.

Já as reações mediúnicas foram fantásticas, meu contato mental com meus guias nunca foi tão claro como foi, após ter tomado o primeiro despacho (primeira dose) do Daime, as incorporações que tive foram de Yansã, Yemanjá e de minha Cabocla Jurema da Mata, e digo a vocês que minhas incorporações nunca foram tão fortes e intensas.

Cada experiência vivida através do Daime é muito individual e pessoal cada um vai experimentar de um jeito uns sentem muitas reações outros nada sentem.

Posso dizer que foi uma ótima experiência.

Um abraço fraterno.

Daniel

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lua Grande? Lua Pequena?Uma Lua? Ai meu Deus, qual a diferença???

As quartinhas na Umbanda

O Alguidar na Umbanda