Os obstáculos do caminho.


Salve, salve, Galerinha do bem!!!


Nossa há quanto tempo não escrevo aqui no blog!!! Ando em uma fase de bloqueio criativo e de muita correria no trabalho, sei que não é desculpa para não escrever aqui, pois quando se quer de verdade alguma coisa, sempre se encontra por onde fazer acontecer.

Bem comentei em um artigo anterior que pretendo me iniciar no Candomblé Nação Angola. Conversei longamente com meu Tat'etu, peguei a relação de tudo que é necessário e comecei a fazer os preparativos para minha iniciação.

Como todos sabem os itens utilizados em uma iniciação são muitos e alguns são bastantes caros o que me fez desembolsar uma grande quantia em dinheiro e não comprei tudo ainda, ainda falta bastantes coisas, mas tenho fé que no tempo certo conseguirei comprar tudo que falta para fazer minha iniciação.

Quem já passou pela iniciação ou as obrigações de ano sabe como o período que antecede os atos religiosos são difíceis, tudo parece que conspira contra, que nada vai dar certo. Muitas vezes falta dinheiro, brigas em casa, aquelas férias que só são aprovadas na última hora entre outras tantas coisas que acontecem.

Com certeza tudo que acontece e acaba dificultando o processo serve para nos provar em relação a quanta fé nós temos em nossos Orixás, Nkices, Voduns e até mesmo fé em nós mesmos, o quanto somos resilientes para chegar ao fim do processo religioso ao qual nos colocamos em recolhimento.

Particularmente nos últimos dias passei por grandes provações, fiquei sem dinheiro algum e fui obrigado a tomar um empréstimo para tentar cobrir meu cheque especial que estava com o limite quase ultrapassado e ainda com a fatura de cartão de crédito por cair... ufa... consegui superar esse problema, então na virada do semestre na atribuição perdi aulas o que influencia diretamente no valor do meu salário, pois como professor, recebo pelas horas aulas ministradas. 

Nesse momento me desesperei... pensei e agora o que faço da minha vida? Onde está meu santo que não olha por mim, não me ajuda? Então esta manhã quando levantei um amigo me manda uma mensagem me convidando para caminhar no Parque do Ibirapuera, convite que prontamente aceitei. Quando estava saindo de casa fui acometido por uma súbita vontade de colocar a guia que meu Tat'etu me mandou montar para meu Nkice.

Então quando estava terminando de me trocar eu resolvi colocar meus fios simples o de Luango, o de Kaiaia e o de Kissimbi, mas quando me olhei no espelho os fios de Kaiaia e de Kissimbi estavam me incomodando e resolvi tirá-los deixando apenas o de Luango e fui encontrar meu amigo.

Estar portando o fio de meu Nkice no pescoço me trouxe uma paz e uma sensação de que tudo se ajeitaria sem igual, então, cheguei à conclusão de que não adiante se desesperar, pois o desespero, a exemplo da ira, do ódio, da mágoa nos cega para tudo que há de bom e nos impedem de enxergar outras saídas que não aquelas que já havíamos considerado como a melhor.

Sigo confiante. Na confiança de que no momento certo o Nkice com a ajuda de Exu e Pombogira irão fazer por onde eu conseguir os recursos necessários para terminar de comprar o que falta para minha iniciação.

A mensagem que deixo hoje é: acredite em seu Orixá, Nkice, Vodun, Santo, como queira chamar, assim como em seus guias, pois eles nunca nos abandonam.


Meu abraço fraterno.


Daniel 
O Japa Umbandista

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lua Grande? Lua Pequena?Uma Lua? Ai meu Deus, qual a diferença???

As quartinhas na Umbanda

O Alguidar na Umbanda